Mulher!

Mais preciosa que os adornos que sobre ti colocas!

Mulher,  a sua sensatez, 
A sua mansidão e temperança,
A sua doçura e calmaria,
São coisas que de si ninguém pode roubar ou tirar.
Mulher,  o seu amor é impossível de comparar,
E ao fazer-se mãe, ele vai além fronteiras.
Para o bem daquele que amas,
És capaz de tudo, pois além de protectora,  tu és cuidadosa.
Mulher,  Assemelhas-te ao sol na vida das pessoas que te rodeiam,
Pois a tua presença em suas vidas é indispensável.
Mulher, o seu amor é fraternal,
A sua força é imensurável,
E os seus dotes, incomparáveis.
Carregas contigo a beleza do raiar e do pôr do sol,
A mansidão do aparecer lunar e a virtuosidade do seu desaparecer.
Mulher,  feitura divina…
Porque Deus é à seu favor,
Ninguém será contra si.
Brilhoso e radiante é o seu sorriso,
Desde a sua nascença até o seu envelhecer.
Mágicos são os seus actos e
Contagioso é o seu amor.
Mulher!  Se Deus é à teu favor,
Quem será contra ti?



                      Por: Ivone Rafael
Advertisements

Porquê? Parte I

Ele é um ladrão, Porquê ele rouba?

Ela é uma vendida, Porquê ela se vende?

Eles são assassinos, Porquê eles matam?

Porquê?” É uma questão usada para buscar a justificação dos actos, mas é só para julgar e criticar que as pessoas querem essa justificação.

As pessoas não se importam em saber as razões do que cada um faz; Se suas atitudes parecem erradas aos olhos delas, correm simplesmente para criticar, e sem espanto, esse é o normal do ser humano.

Sabe, as pessoas fazem de sua vida uma peça teatral, querem ver você encenar da melhor forma possível e ninguém se importa em saber o que se passa no teu backstage; As pessoas condideram-se plateia na sua peça e para cada detalhe dela, elas tomam o papel de crítico.

O mais engraçado é que elas nunca querem ser o encenador ou o actor principal, ou pelo menos fazer parte da cena como qualquer actor ou atriz, sequer o ajudante na organização do backstage.

É… Se você falha numa das falas, ninguém se importa em saber *porquê você falhou*, se você tropeça em plena apresentação, desatar a rir é a reação de todo mundo, que havia um desnivelamento em seu palco ninguém sabe, além de si.

Você é o arquiteto para o seu palco, você é o encenador, você é o mentor, você é o actor principal para a sua peça, o fardo é muito mais pesado para si que para qualquer outra pessoa, porque você é quem faz e eles são quem simplesmente olha.

No fim do dia, somos todos actores, o mundo é nosso palco, cada um tem suas entradas e suas deixas e só aquele que algo tenta fazer, é notado pela maioria e se persistir, pedras pesadas caem sobre ele.

Porquê tenho de me importar com a vida do outro se eu não lhe posso ajudar?

Ser moçambicano não é ser pobre!

Sou moçambicano,

Sou africano;

Embora esteja na pobreza,

Possuo muita riqueza.

Levo uma vida de correria,

Porém, cheia de alegria

Pois revisto-me de bondade

Sem esperanças de reciprocidade.

Com manchas da passada escravatura,

Cicatrizes deixadas por extrema tortura,

Não me canso de cantar a vitória

Pois hoje sou livre com glória.

Careço de bens materiais, posso crer

Mas as manchas e cicatrizes

Simbolizam os meus bens imateriais,

Os que para sempre terei, pois:

Ser moçambicano não é ser pobre

Por: Ivone Rafael

De par em par, de paz em paz!

Suspira meu coração, suspira minha alma

E num silêncio em acção eu penso com calma:

Quantas pessoas antes de mim almejaram a paz,

E hoje que há paz, que diferença esta faz?

Conformámo-nos em simplesmente ouvir que alcançamos a paz,

Quando verdadeiramente, isso ao nosso coração não satisfaz.

Alcançamos a independência após termos sido colonizados como trapos em desuso,

Vencemos uma luta que outrora pareceu impossível de vencer,

E após essa luta, alguns assinados e escritos,

Achamos que finalmente estamos em paz.

Paz, paz, paz, cadê essa paz?

Se persistimos em lutar e matámo-nos entre nós mesmos.

Em que lugar se assenta a paz?

Se o trono de honra está reservado à corrupção e crueldade?

Ansiamos tanto por esta paz,

E hoje que há paz, que diferença esta faz?

Por: Ivone Rafael

Lamuriar-me? Não, nunca mais.

Oh, tu! Homem sem escrúpulos
sem vergonha na cara e
sem meticulosidade…
Chamas-me lindamente ao tentar conquistar-me, transformas-te em bênção quando me queres fazer feliz nos primeiros momentos em que passamos juntos, juramentos e falças promessas são feitas a mim, por ti, oh homem sem escrúpulos…
E quando me tens em suas mãos, sequer medes esforços para mostrar-me o teu lado fantasmagórico que por muito tempo ficou inacreditavelmente escondido.
Oh, Hipócrita! Não aceito que desvalorizes a minha sagacidade, a minha virtuosidade e a minha postura como Mulher.
Falo de ti oh homem, que dá tudo de si para ver sua esposa lamuriar-se;
Você, que não mede esforços para ver lágrimas de dor escorrendo pelo seu lindo rosto;
És um cara sem vergonha, pois fazes isso esquecendo que foi através do ventre de uma mulher que tu vieste à vida.
A tua brutalidade faz-te perder o valor, a essência de quem tu és e a postura de uma feitura divina.
Tratas a sua companheira como um peixe carapau, esquecido no congelador, que só é lembrado quando há falta de mantimento em casa, triste!
Homem feroz, seu lugar é na selva, longe de mim como mulher e longe de nós como uma sociedade moralizada.
Oh, tu! Homem sem escrúpulos
Sem vergonha na cara e

Sem meticulosidade.

por: Ivone Rafael